Aula Inaugural CCS

Aula Inaugural CCS

No dia 8 de agosto o Centro de Ciências da Saúde (CCS) da UFRJ realizou a aula inaugural do segundo semestre 2019. O tema da aula foi “O SUS no contexto da Saúde Global e o papel da Universidade“. Professores reconhecidos da casa ministraram a aula sensibilizando os calouros em temas de saúde pública nacional e suas relações com o contexto internacional.

Dentre as questões relevantes, a professora Ligia Bahia afirmou que, a apesar das polêmicas, “o SUS deu certo no Brasil“, sendo atualmente reconhecido no mundo como um sistema modelo para garantir o direito universal a saúde. A professora destacou o enfrentamento à epidemia da ADIS e o combate ao tabagismo como vitórias do SUS no contexto democrático.

Analisando o panorama atual, a professora Lígia, também assinalou as repercussões negativas do corte de recursos que o SUS poderá sofrer no próximo ano a partir do avanço da privatização dos serviços de saúde e na formação de profissionais de saúde.

Conforme a professora, a atual alta taxa de homicídios representa um indicador dos problemas que as políticas públicas brasileiras vêm tendo, o que coloca ao Brasil no segundo lugar no mundo, na frente inclusive de países que vivem conflitos de guerra declarada. Além disso, destacou a relevância da pesquisa científica para abordar com pertinência problemas atuais nas contradições do Brasil, como por exemplo o desmatamento da Amazônia. Neste sentido se solidarizou com o ex-presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espacial (INPE), Ricardo Galvão, recentemente demitido pelo poder executivo

Já o professor Roberto de Andrade Medronho articulou sua fala sobre doenças infecciosas que, sendo a causa de morte de 15 milhões de pessoas por ano, é uma dos principais flagelos que atingem a saúde global junto com a fome e a guerra. Segundo o professor, estas doenças (re)emergem em contextos onde não só há a presença de agentes patógenos (como mosquitos, ratos, etc.) como, principalmente, por condições ambientais e socioeconômicas precárias (urbanização desordenada, saneamento básico inadequado, desigualdade, pobreza, dentre outros).

Destacou também que as doenças infecciosas, muitas delas presentes no Brasil, são negligenciadas pelo poder público e por iniciativas de pesquisa dos grandes laboratórios farmacêuticos do mundo desenvolvido, já que, como afetam principalmente a populações empobrecidas, não apresentam interesses lucrativos Desta forma, as doenças infecciosas negligenciadas não só se disseminam a partir da pobreza, senão também a reproduzem. Lembrando o sanitarista Sergio Arouca, o professor Medronho sensibilizou aos estudantes de todas as áreas da saúde para que desenvolvam a capacidade de se indignar frente as desigualdades sociais que se manifestam nas condições de saúde das populações mais vulneráveis e se enxerguem como futuros profissionais responsáveis e eticamente comprometidos com os desafios complexos da saúde pública no Brasil e no mundo.

 

Mais informações:  https://eventos.ufrj.br/evento/aula-inaugural-2019-2-do-ccs/

#CCS #UFRJ

Redação: Profa. Maria Cláudia da Veiga Soares Carvalho e Valentina C. Weihmûller
Edição: Comunicação e Mídias INJC