Pirapoca: o milho e a memória indígena na cultura alimentar brasileira

Pirapoca: o milho e a memória indígena na cultura alimentar brasileira

Originário das Américas, o milho foi cultivado pelos povos indígenas brasileiros, que o utilizavam, além da alimentação, para rituais e como adornos. Essas práticas, entretanto, são pouco conhecidas. Também o são as suas formas de transmissão e o próprio milho indígena com imensa diversidade.

Considerando o risco de desaparecimento de práticas e culturas em torno do milho no Brasil, a ação extensionista Pi(ra)poca (do tupi-guarani: pira, pele; poca, rebentar) tem como objetivo valorizá-la. Assim, realiza oficinas lúdicas em comunidades escolares. Nestas oficinas, divulgamos a cultura do milho, sua importância na alimentação brasileira, destacando a perspectiva de sua memória social, tradições e os tipos de cultivo, apontando para práticas sociosustentáveis. Ainda, plantamos milho crioulo e criamos preparações culinárias, aprofundando conhecimentos e técnicas destinadas às comunidades de agricultura familiar. Outrossim mantemos um grupo de pesquisas no campo de saberes em gastronomia, cultura e memória, discutindo, assim como o milho, outros conhecimentos e práticas das tradições alimentares brasileiras, realizando um evento nacional anual e divulgando pesquisas e saberes nestes campos. A aproximação de professores e alunos do curso de Gastronomia com a comunidade externa a UFRJ contribui para a valorização e a democratização dos saberes e fazeres da cultura alimentar brasileira.

Tipo de Ação Projeto
Link SIGPROJ
Área Temática Cultura
Programa Articulado conforme Edital Rua Memória cultural, social e da terra
Ano de Início 2015
Coordenação Profa. Myriam Melchior
Financiamento PROFAEX
Parcerias Externas UFRRJ e escolas técnicas estaduais e federais
Vagas oferecidas para estudantes de graduação 15
Carga Horária 360 horas
Bolsas de extensão oferecidas 1
Contato myriammelchior.gastronomia@nutricao.ufrj.br

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.